Etiqueta: diferença

Serão os Direitos das Crianças Respeitados?

Serão os Direitos das Crianças Respeitados?

Porque Será Que os Direitos Mesmo os Mais Básicos São Negados a Tantas Crianças no Mundo?

Está Institucionalizado que todas devem ter os mesmo direitos independentemente da raça, cor e religião mas será que estão a ser aplicados?

Qual é a tua opinião?

Basta ligar a televisão e ver o telejornal para termos a certeza de que estes direitos só são aplicados no papel e não na prática. É incrível como apesar de toda a evolução que a Humanidade tem tido, continuarem a existirem países onde não se respeita minimamente os Direitos mais básicos da Criança, nomeadamente uma alimentação correta que lhe proporcione um desenvolvimento saudável.

Esta dicotomia Ricos e Pobres é escandalosa! Por um lado países tão ricos onde se desperdiçam  toneladas de alimentos, por outro lado, outros países que devido ao seu estado de pobreza absoluta não têm o mínimo para satisfazer a fome a tantas crianças.

Nem direito à alimentação, à educação,  à saúde em suma países onde todos os seus legítimos direitos lhes são negados.

Que Mundo é Este?

Que evolução do mundo é esta ?
Será desenvolvimento aquilo que presenciamos todos os dias, a miséria, a descriminação a injustiça e desigualdade?
São arrepiantes as imagens que passam através dos canais televisivos e que infelizmente não sensibilizam quem tem o poder de alterar estas situações.

Não tiveram a possibilidade de escolher o local onde nascer para poderem usufruir de tudo aquilo a que têm direito por isso nós temos a obrigação de contribuir de alguma forma para acabar ou pelo menos minimizar estas flagrantes diferenças que nos incomodam a todos principalmente quando estão em causa seres indefesos como as crianças!

Há uma história que me marcou , que se passou comigo há uns bons anos atrás:

Trabalhava na altura no jornal o 1º de Janeiro na cidade do Porto que ficava localizado na Rua Santa Catarina em pleno centro da cidade, local com bastante movimento de pessoas, uma rua com muito comércio.

Estava um daqueles dias tristes e frios de outono e resolvi em vez de ir almoçar a casa ficar por ali e petiscar numa confeitaria próxima do meu local de trabalho que tinha uns rissóis deliciosos, sempre a sair quentinhos e um caldo verde tão bom como não se come em mais lado nenhum.

Assim fiz e quando chego à porta da confeitaria deparo-me com uma criança do sexo masculino com cerca de 7 anos com umas sapatilhas rotas, calções de ganga azuis que mais pareciam castanhos e com uma t-shirt que não acompanhou o seu crescimento!!! Tinha um olhar triste e vazio e com algum acanhamento pedia esmola.

Passei por ele e o meu olhar cruzou-se com o dele e algo mexeu comigo mas entrei na confeitaria e ao sentar-me ao balcão, olho para ao lado e vejo a criança pedinte tentando entrar na confeitaria, sendo de imediato impedida pelo empregado.

Eu que tinha acabado de me sentar, levantei-me imediatamente (parecia que a minha cadeira tinha uma mola) fui ter com o miúdo e perguntei-lhe o que é que ele queria?
Respondeu-me que tinha fome e só queria que lhe dessem algo para comer!

Fiquei sem Palavras!

Com um enorme nó na garganta, peguei na sua pequena mão, levei-o para dentro da confeitaria e sentei-o ao meu lado.

Qual não é o meu espanto quando o empregado o viu sentado ao balcão e ordenou-lhe que saísse imediatamente.
Nem queria acreditar no que estava a ouvir. Olhei para ele com um olhar de quem já estava a ficar realmente irritada, e disse-lhe:

– Ouça lá, não está a ver que o miúdo está comigo? Está comigo, vai se manter aqui sentado e comer o que quiser porque eu quero e porque sou eu que vou pagar.

Nunca mais me esqueci daqueles lindos olhos castanhos o cabelo escuro aquela linda cara suja a olhar para mim e sem dizer qualquer  palavra, deu um ligeiro sorriso de agradecimento!

Só pelo sorriso que consegui despertar naquela criança já valeu a pena.

Senti-me bem mas ao mesmo tempo triste… Naquele dia almoçou e teve direito a um lanche que ele próprio escolheu para mais tarde…E os dias seguintes? Como terão sido?

Foi só um pequeno gesto e tive a certeza que pouco ou nada mudei na vida daquela criança. Consegui pelo menos proporcionar-lhe naquele dia uma refeição digna e um sorriso… pouco mais  do que isto.

A necessidade de Amor e Carinho de crianças que nada têm está bem visível nesta imagem tirada numa Missão Humanitária do Grupo de Acção Social da TriboGas

Não basta ficarmos chocados, temos de tomar uma atitude e participar de alguma forma em algo que vá fazer a diferença na vida destes seres e é por isso que cada vez nos sentimos mais felizes por estarmos num projecto de Internet  Marketing que além de dar outro sentido à nossa vida, está a proporcionar-nos fazer a diferença na vida de crianças e não só!

Através da Tribo do GAS- Grupo de Ação Social da Comunidade da Tribo já foram realizadas diversas acções das muitas que ainda se irão realizar:

– Equipamos a Casa “O Aconchego” um Centro de acolhimento de Crianças em perigo, em Peniche.

– Equipamos com 16 computadores a Primeira sala de combate á info-exclusão que proporciona a pessoas idosas, sós e a Crianças de poucos recursos aulas de computador e internet.

– Recolha de donativos para as missões Humanitárias à Guiné, onde todos participamos tanto na recolha como na organização, sempre a pensar nos outros e essencialmente nas crianças carenciadas.

– Foram feitas duas Missões Humanitárias à Guiné Bissau, uma em 2014 e outra em 2015 onde foram várias viaturas e ambulâncias carregadas de material hospitalar e escolar, respondendo assim ao apelo da Fundação João XXIII que é uma organização de apoio no terreno. Todas estas viaturas incluindo as ambulância também foram oferecidas à Fundação.

– Foi feito o apadrinhamento de cerca de 100 Crianças de um Orfanato no Benin (África). Contribuímos com a nossa parte , apadrinhando uma menina de nome Yvette.

– Neste momento está em curso e prestes a abrir a “Casa do Mimo”, um centro de atividades de tempos livres, sem fins lucrativos, destinado a dar resposta a crianças e jovens com e sem necessidades educativas especiais, dos 6 aos 18 anos, tendo em vista assegurar os tempos não letivos (horário pós-letivo e férias escolares) com atividades pedagógicas, lúdicas e terapêuticas, bem como proporcionar outros períodos de apoio às famílias, nomeadamente, aos fins de semana.

Foi sempre esta a nossa forma de estar na vida,  pensarmos  em nós e também estarmos disponíveis para fazer a diferença na vida dos outros.

Porque a diferença existe e porque a discriminação é real é preciso mudar mentalidades.

Nem todos temos a cor da pele igual, nem as mesmas crenças, os mesmos gostos, ou a mesma altura, todas as pessoas exteriormente falando são diferentes umas das outras. Mas no interior, bem lá dentro somos todos iguais. Precisamos de carinho, de atenção, de afectos, todos precisamos de felicidade para sermos melhores e mais fortes.

Gostaria imenso de ter a tua opinião acerca deste assunto.

Vamos adorar ler o teu comentário.

Obrigado por leres o meu artigo.

Até Breve

Milú e António

 

A Diferença Entre o Rir e o Sorrir e a Importância de Saber Sorrir!

A Diferença Entre o Rir e o Sorrir e a Importância de Saber Sorrir!

Há um fosso muito grande entre o riso e o sorriso. 

Bergson descreve e muito bem esta diferença: “O riso é algo que irrompe num estrondo e vai retumbando como o trovão na montanha, num eco que, no entanto, não chega ao infinito”. O sorriso, pelo contrário é silencioso como chuva mansa que cai e fertiliza a terra ou como brisa suave que acaricia e refresca o rosto. Enquanto o riso é extroversão, o sorriso desvenda delicadamente o interior de quem sorri.

Já Antoine de Saint-Exupéry abordando o poder do sorriso diz: “No momento em que sorrimos para alguém, descobrimo-lo como pessoa, e a resposta do seu sorriso quer dizer que nós também somos pessoa para ele”. 

Fantástica descrição!

O sorriso traduz, geralmente, um estado de alma; é um convite a entrar na intimidade de alguém, a participar do que lhe vai no íntimo. É por isso que o homem é o único animal que sorri; e, como é dotado de inteligência e vontade, pode sorrir quando tudo vai bem ou sorrir mesmo que as coisas corram menos bem – tudo se resume na harmonia interior.

É pois muito importante saber sorrir.

Um sorriso pode dissipar uma angústia, se for simpático, ou aumentá-la se for sarcástico; pode estimular um trabalho, se for de aprovação, ou desanimar quem trabalha se for cínico; pode criar uma amizade, se for sincero e transparente, ou um afastamento se for hipócrita; pode humilhar de modo irreversível se não for autêntico e espontâneo.

Mesmo quando e na área da educação se pretende repreender alguém o sorriso é muito importante. Não o sorriso que pactua com a asneira mas sim o que acompanha uma repreensão justa e que mostra ao visado, que apesar da dureza e firmeza da repreensão, há amizade e compreensão.

Muitas vezes passamos por fases na vida que nos tiram a vontade de sorrir. Há bem pouco tempo passei por uma dessas fases em que tinha a sensação que tudo ruía à minha volta.
Por coincidência, em conversa com uma amiga daquelas que estão sempre a sorrir de bem dispostas, perguntei-lhe como é que ela conseguia estar sempre feliz e a sorrir?

E ela explicou que também tinha, como todo a gente, os seus momentos de tristeza, de cansaço, de inquietude, de mal-estar, mas que tinha decidido nessas alturas sair dela mesma, interessar-se pelos demais compreendendo que a nossa alegria vai trazer felicidade aos que nos rodeiam.
E acrescentou que ao passar essa felicidade, acontece como que um reflexo, que se traduz em mais felicidade para dentro dela também.

Fez-me perceber a tempo que a solução era reagir e ultrapassar este momento menos bom.

Na situação de desemprego em que me encontrava, decidi procurar ajuda na internet.

Hoje trabalho em casa e tenho liberdade total para decidir os meus horários .

Tem sido uma sensação fantástica.

Adorava que pudesses sentir o mesmo.

Até Breve

Milú e António 

 

%d bloggers like this: